Aprenda a assertividade

Tempo de leitura: 7 minutos

Vamos aprender o treinamento da assertividade, de forma a evitar a manipulação?

Primeiro, é necessário compreender direitinho o que é a assertividade.

A assertividade é uma habilidade social de enfrentamento e exercício da cidadania.

Ao praticar a assertividade, a pessoa é capaz de defender seus direitos, ideias e sentimentos de forma clara, direta e firme, sem ferir os direitos, ideias e sentimentos do outro.

Dentro da terapia comportamental, tem grande destaque o trabalho de Joseph Wolpe a respeito da assertividade.

De acordo com ele, a falta da habilidade pode levar a conflitos, rejeição e irritação, o que nos afasta de uma vida feliz e de bem-estar.

Assim, o treinamento da assertividade é fundamental para a diminuição do estresse e da angústia, tendo em vista que a prática leva a pessoa a ser mais confiante por ter um repertório maior para lidar com situações desconfortáveis.

Por isso, esse tema é bastante abordado por terapeutas e profissionais das mais variadas áreas justamente por fortalecer nosso autocontrole, nosso manejo de relações interpessoais e por ser um ótimo recurso para lidarmos com conflitos e remediarmos danos.

Como praticar?

Deve ser levada em consideração a predisposição do indivíduo de modificar seus pensamentos de forma a promover o comportamento assertivo.

Destaco, inicialmente, 3 preposições fundamentais da terapia cognitiva comportamental, que formam um ciclo:

A atividade cognitiva influencia o comportamento -> esse comportamento desejado pode ser influenciado diante da mudança cognitiva -> a atividade cognitiva pode ser alterada -> a atividade cognitiva influencia o comportamento

Isso significa que podemos aprender a pensar de modo assertivo para que a mudança influencie em nosso comportamento.

Métodos que auxiliam o comportamento assertivo

Primeiro, quero demonstrar alguns tipos de pensamentos que não auxiliam no comportamento assertivo:

  • Não consigo falar o que sinto;
  • É errado dizer às pessoas o que eu penso;
  • Se eu não fizer o que ela quer, ela deixará de gostar de mim.

Esses pensamentos são, na verdade, pensamentos distorcidos e devem ser substituídos por pensamentos que predispõem os comportamentos assertivos, tais como:

  • Posso me expressar adequadamente;
  • Estou aprendendo a falar o que sinto e preciso colocar em prática;
  • Aprendo a defender meus direitos;
  • Quanto mais coloco em prática a assertividade, mais a aprendo.

Dessa forma, o primeiro passo para o comportamento assertivo é dado.

Ainda, trago para você mais três passos essenciais para evitar que esses pensamentos distorcidos atrapalhem o treinamento da assertividade.

  1. Reconhecer os pensamentos, ideias e sentimentos do outro;
  2. Repetir o que a pessoa disse, em palavras distintas, para ter certeza que o que foi dito foi interpretado corretamente, e não de acordo com os pensamentos distorcidos. Isso pode ser feito por meio de perguntas.
  3. Emitir um parecer utilizando frases como: “Pensar em uma nova perspectiva, um novo ponto de vista”.

Passos para a prática da assertividade

Essas práticas são fundamentais para que possamos evitar a manipulação e nos mantermos no aprendizado.

Confira a lista de técnicas abaixo:

1) Disco quebrado

Essa técnica consiste na escolha de uma frase simples, clara e concisa para repetir como se fosse um disco quebrado.

Escute o ponto de vista do outro e, calmamente, repita sua frase.

Alguns exemplos são “Sim, entendo, mas…” e “Dentro da minha perspectiva…”

Assim, você se opõe sem impor sua vontade ao outro.

2) Mudança do conteúdo para o processo

Nesta técnica, há um relato do que está sendo percebido no momento.

Descreva o que está acontecendo com o processo de comunicação.

Por exemplo “Estamos nos desviando do assunto” e “Quando você levanta a voz, perdemos o foco”.

Dessa forma, a questão principal volta ao foco e evita danos.

3) Acalmado

Técnica para acalmar-se.

Respire fundo e ignore a raiva ou o pouco caso da outra pessoa.

Ainda, adie a conversa para outro momento.

Diga “Vamos conversar quando estivermos mais calmos” ou “Só se pode pensar depois de se acalmar”.

Dessa maneira, nenhum direito é ferido e a razão prevalece sobre a emoção.

4) Adiamento assertivo

Essa técnica consiste em tirar um tempo para pensar.

Diante de questões desafiadoras, adie a resposta caso não esteja seguro sobre sua postura.

Responda com “Preciso pensar melhor a respeito” ou “Prefiro responder mais tarde”.

Assim, há um comportamento assertivo, o que não seria possível no calor do momento.

5) Acordo assertivo

Técnica para chegar a um acordo.

Reconheça, na fala do outro, aquilo com o que você pode concordar e inicie sua fala a partir disso.

Em seguida, faça a sua própria colaboração.

Exemplos “Concordo que nesse caso não fiz um bom trabalho…” e “Obrigada por me dizer que minhas ideias não foram ditas claramente”.

Desse modo, há a resolução de problemas e de mal entendidos.

6) Pergunta assertiva: foco

Ruminar não é nada saudável e, portanto, esta é a técnica perfeita para evitar a ruminação e focar na resolução de problemas.

Essa técnica tem como objetivo descobrir algo.

Pergunte diretamente à pessoa o que a está incomodando.

Pergunte “O que o incomodou? O modo que falei?”.

Onde aplicar as técnicas?

Agora, trago para você situações nas quais você pode aplicá-las e quais são as técnicas mais apropriadas para cada momento.

1) Situação de indiferença

Utiliza-se as técnicas do disco quebrado e mudança de conteúdo para o processo.

Alguns exemplos de falas são “Você pode prestar atenção ao que eu digo?” e “Quando você faz piada com o que digo, perdemos o foco”.

2) Situação de acusação

Utiliza-se a técnica do disco quebrado.

Mostre as evidências que provam que você não estava errado.

3) Situação de agressão

A técnica apropriada para esta situação é a acalmado.

Diga algo do tipo “É mais prudente que conversemos depois, assim não vamos nos ferir”.

4) Situação de porquês

Faz-se uso da técnica de mudança de conteúdo para o processo.

Utilize frases como “Quando você me pergunta demais os porquês, estamos desviando do nosso foco e, assim, não encontraremos a solução que nós dois queremos”.

5) Situação de autopiedade

Utilize a técnica do acordo assertivo.

Quando você estiver entrando em um assunto e a pessoa à sua frente finge-se de vítima (até mesmo derramando lágrimas), concorde com o que puder concordar e mantenha-se no foco.

6) Situação de respostas evasivas

Colocar em prática a técnica de mudança do conteúdo para o processo.

Como exemplo, temos a frase “Estou querendo conversar sobre um assunto, e quando lhe fiz perguntas, suas respostas não foram claras. Lhe perguntei uma coisa e você me respondeu outra. Podemos voltar ao assunto anterior?”

7) Situação de ameaças

Utiliza-se as técnicas de acalmado, pergunta assertiva e mudança de conteúdo para o processo, exatamente nesta ordem.

Acalme-se, pergunte para certificar-se que realmente está sendo ameaçado e, por fim, tente voltar ao foco.

Por que praticar a assertividade?

Para finalizar, quero ressaltar os benefícios que traz para nós.

Primeiramente, a assertividade é super relevante para que possamos expressar nossas posições e sentimentos de forma respeitosa, sem ferir o outro.

Essa capacidade evita sofrimento emocional derivado de conflitos ou de problemas na comunicação, porque nos deixa mais seguros a respeito de nós mesmos e menos impulsivos.

Ainda, nos auxilia a alcançar nossos objetivos e superar dificuldades.

Assim, devido à sua importância, podemos afirmar que ela é um pré-requisito para a autorrealização.

Salter (2002) identifica em indivíduos assertivos a forte presença de:

  • expressão aberta dos sentimentos;
  • habilidade de se opor e levar em consideração a opinião alheia;
  • utilização do pronome EU como demonstração de uma pessoa que sustenta suas palavras;
  • aceitação de elogios não como falsa modéstia, mas sim como expressão de autorrespeito perante suas habilidades.

Ao passo que Lazarus (1973) identifica quatro grupos de hábitos para transitar saudavelmente pela vida:

  • a capacidade de falar abertamente sobre desejos e necessidades;
  • a capacidade de dizer não;
  • a capacidade de falar abertamente sobre sentimentos, sejam negativos ou positivos;
  • a capacidade de estabelecer contatos, seja começando, mantendo ou finalizando uma conversa.

Enfim, espero que você tenha aprendido e gostado dessa publicação sobre assertividade, que teve como objetivo ensinar os treinamentos para um comportamento mais assertivo e uma vida mais feliz.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.