Compromisso com educação emocional

Tempo de leitura: 2 minutos

Hoje, quero falar de um assunto que não é novidade para você que me acompanha.

Esse tema é a necessidade de trabalharmos a educação emocional de nossa sociedade.

Se você ainda não acha que nossa sociedade precisa ter mais cuidado com a saúde emocional, convido você a mudar de ideia.

A falência emocional que vivenciamos

Os profissionais da saúde e educação, que lidam diretamente com saúde mental, sabem como a educação emocional está falida.

Observamos muita insatisfação crônica, índices altos de depressão e ansiedade e também a falta de relações interpessoais.

O que nós, como profissionais, podemos fazer para tentar diminuir esses índices e proporcionar uma vida melhor às pessoas ao nosso redor?

Devemos aplicar a educação emocional nas nossas áreas de atuação, nas áreas que são nossa paixão.

Espalhar a educação emocional em nosso ambiente de trabalho beneficia a nós mesmos e a todos que convivem conosco.

Precisamos trabalhar a educação emocional com nossas crianças e jovens

Você sabia que a depressão atinge 10% das pessoas mais jovens?

Nossas crianças também sofrem ainda na infância. Sofrem de depressão e, principalmente, de ansiedade.

Essa falta de apoio emocional, além de criar um adulto emocionalmente abalado, pode dar origem a diversos problemas, tais como:

  1. violência;
  2. bullying;
  3. anorexia;
  4. abuso de drogas;
  5. automutilação;
  6. gravidez na adolescência;
  7. transtornos mentais e muitos outros.

Ainda, o indivíduo pode acabar abandonando a escola, seja pelos motivos citados anteriormente ou pela falta de motivação e condições sociais.

Por conta disso, a Educação Emocional Positiva tenta resgatar nas crianças as habilidades de lidar com as emoções.

A educação emocional do profissional da saúde e educação também importa

Os profissionais também precisam saber lidar com suas emoções, e eu vou te contar o porquê.

Uma pesquisa realizada pela Escola de Enfermagem da USP, feita com 258 profissionais da área de educação, indicou que:

  • 20,9% dos entrevistados não dormia bem à noite;
  • 82,1% apresentava algum diagnóstico médico;
  • 27,1% tinha acidentes e doenças digestivas;
  • 20,9% apresentava doenças mentais como ansiedade, depressão e pânico.

O que isso significa?

O profissional também não está emocionalmente e fisicamente bem.

Por isso, pode deixar de estar completamente dedicado ao seu trabalho.

Visualize: o professor deixa de perceber uma situação de violência na sala de aula por conta de uma noite mal dormida após ficar remoendo algum problema.

A enfermeira treme ao tirar o sangue de um paciente porque está preocupada com um acontecimento no trânsito do dia anterior.

E por aí vai.

O profissional precisa ter sua saúde mental cuidada para que possa desempenhar seu trabalho de modo mais efetivo.

Dessa forma, ele não será afetado por suas próprias distorções cognitivas e estresse.

1 comentário


  1. Olá!
    Quanto material bom!
    Miriam, que Deus te abençoe ricamente por disponibilizar ricos materiais que com certeza nos auxiliará e muito em nosso dia a dia…Te sigo à um tempão…Um dia farei o curso. Estou apaixonada por todos esses materiais..Parabéns pelo seu sucesso!

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.