Comunicação é importante?

Tempo de leitura: 6 minutos

Quero conversar sobre um tema que é extremamente necessário para todos nós em todos os ambientes da vida: a comunicação.

Você sabia que aprender a comunicar-se corretamente auxilia nos relacionamentos interpessoais?

E como já falamos aqui anteriormente, esses relacionamentos são essenciais na construção da nossa vida feliz.

A comunicação efetiva é clara, sem julgamentos e procura soluções.

Ela é fundamental para lidarmos com as crianças e os adolescentes, pois é a partir da fala do adulto que eles criam seus moldes mentais.

Aspectos que influenciam o processo de comunicação

O processo de comunicação é aprendido e, assim, passível de ser modificado.

A partir da minha experiência de consultório sou capaz de afirmar que muitos dos problemas psicossomáticos e fontes de estresse são consequência da inabilidade de comunicar-se assertivamente.

Nesse sentido, o treinamento de assertividade é uma ferramenta eficaz contra a depressão, a raiva, o ressentimento, a ansiedade e a violência nas relações interpessoais.

Assim, se aprendermos a comunicação, passaremos isso adiante, contribuindo para a construção do bem-estar e diminuindo os colapsos passivos, as explosões de raiva e as vinganças sigilosas.

A seguir, aspectos importantes que, de forma positiva ou negativa, influenciam o processo de comunicação:

Escuta ativa

Primeiramente, entenda que ouvir é mais importante do que falar, em especial diante de questões difíceis.

A escuta diminui as defesas das pessoas, favorecendo a obtenção de mais informações e, assim, a avaliação da situação com mais precisão.

Para praticar a escuta ativa, siga os seguintes passos:

  1. Prepare-se para ouvir: esteja disposto internamente a ouvir;
  2. Ouça e esclareça: pergunte ao interlocutor se o que você entendeu é o que ele realmente quis dizer;
  3. Reconheça: o que você puder reconhecer como verdadeiro, reconheça;
  4. Esteja presente no presente: esteja ali, de corpo e alma, não fique com a cabeça em outro lugar; caso isso ocorra, você correrá o risco de perder partes importantes e, assim, a comunicação será falha.

Crenças

As crenças geram uma predisposição perceptual que nos faz ver e ouvir o que vem de fora por meio de uma interpretação particular.

Além disso, são nossas vozes internas, nossas autodeclarações, nossas autoexplicações, os diálogos internos que temos diante das situações.

A percepção de cada indivíduo é baseada em suas crenças, daí a complexidade das relações interpessoais, pois há o encontro de, no mínimo, duas crenças pessoais (a sua e a do outro).

Essa é a importância da boa comunicação.

Ademais, ao lidar com crianças é importante que as auxiliemos a criar crenças mais adequadas por meio da comunicação. 

Os passos importantes para evitar que as crenças prejudiquem o processo comunicativo são: 

  1. Reconhecer os pensamentos, as ideias e os sentimentos do outro;
  2. Repetir o que a pessoa disse em palavras diferentes, para ter certeza do que a pessoa quis dizer; isso pode ser feito por meio de perguntas;
  3. Emitir um parecer – se o outro desejar, utilizando a palavra “sugestão” – ou uma outra perspectiva, por exemplo.

Modos de percepção

Existem algumas formas de percepção do mundo externo.

As mais comuns são: visual, auditiva, sinestésica e inespecífica:

  • Visual: vejo, está claro, nebuloso, bonito, feio, visualmente, etc
  • Auditiva: ouço, soa bem, soa mal, são como música, ruídos, etc
  • Sinestésica: é de arrepiar, fiquei gelada, sinto um gosto ruim, cheira mal, etc
  • Inespecífica: observo, percebo, atento, etc

É incrível como podemos observar essas formas de percepção nas crianças.

Quando contava algo para minha filha de 4 anos, se ela não entendia muito bem, mexia as mãozinhas como se estivesse apagando e dizia “apaga, apaga e começa de novo, mamãe”. 

Assertividade

A assertividade é uma maneira de posicionar-se de modo que você respeite seus direitos sem desrespeitar os direitos do outro.

Para esclarecer, pensemos no seguinte exemplo: você vai ao cinema assistir a um filme cuja estreia esperou ansiosamente.

O cinema está lotado.

Você está assistindo ao filme e, de repente, uma pessoa sentada atrás de você começa a bater na sua cadeira com os pés.

Tipos de comportamentos

  1. Passivo: você assiste ao filme, extremamente incomodado, mas não diz nada, afinal, não quer causar escândalo. Sai do cinema irritado com o rapaz do cinema e também consigo mesmo, por não ter sido capaz de falar nada. Começa a sentir dores de cabeça, dores de estômago e, mesmo depois de uma semana, continua a sentir-se mal ao lembrar-se da experiência do cinema.
  2. Agressivo: você se vira para o rapaz que está batendo em sua cadeira já levantando a voz, xingando-o e esbravejando. Nesse momento, as outras pessoas do cinema começam a queixar-se de seu comportamento, afinal, você está atrapalhando o filme. Mesmo você estando certo, perde sua razão e é convidado a retirar-se da sala de cinema.
  3. Passivo-agressivo: você fica incomodado com a situação, mas não fala nada. Ao fim do filme, quando a pessoa está passando por você, você coloca o pé para ela tropeçar. Internamente, você sente que deu a ela uma lição, aquilo que ela merecia.
  4. Assertivo: você se dirige à pessoa e diz “não sei se você percebeu, mas quando você bate o pé, balança minha cadeira. Por favor, gostaria de pedir que você parasse de bater o pé na minha cadeira”. Perceba que você não pede para ela parar de bater o pé e sim parar de bater na sua cadeira. Caso a pessoa insista, você diz que chamará a segurança, afinal, assim como ela, você também pagou pelas entradas.

Estilos de comunicação

Pesquisas de Shelly Gable, da Universidade da Califórnia, indicam que o modo como se comemoram os bons eventos é o maior preditor de relações fortes.

Assim, a maneira como a pessoa responde quando alguém lhe conta algo de bom que tenha acontecido influencia diretamente a construção ou a destruição de seus relacionamentos em geral. 

Ainda, existe a comunicação verbal, aquilo que é falado, e a não verbal, aquilo que é demonstrado por posturas corporais.

A partir desses dois tipos de comunicação, podemos fazer algumas combinações, das quais derivam quatro estilos de comunicação: 

  1. Ativo e construtivo
  2. Passivo e construtivo
  3. Passivo e destrutivo
  4. Ativo e destrutivo

Por exemplo: a criança conta que ganhou R$50 na rifa da escola.

Estilo de comunicaçãoComunicação verbalComunicação não-verbal
Ativo e construtivo“Nossa, que sorte! O que você vai comprar com o dinheiro? É maravilhoso ganhar rifa, né?” Mantém contato visual, demonstra emoções
Passivo e construtivo“Que bom!”Demonstra pouca ou nenhuma expressão emocional
Ativo e destrutivo“Aposto que vai gastar com bobeira!”Mostra emoções negativas
Passivo e destrutivo“Tenho muito trabalho agora”Faz pouco contato visual, dá as costas

A comunicação mais maléfica em qualquer relação é a passiva e destrutiva, pois desperta no outro o desamparo aprendido.

Quando isso é recorrente, o outro deixa de tentar se comunicar, e como acabamos de ver, a comunicação é fundamental para nosso bem-estar.

Fonte

Livro Educação Emocional Positiva, p. 103 – 111.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.