Controlando a fisiologia das emoções

Tempo de leitura: 3 minutos

Um dos passos para a construção da vida feliz é ter o controle sobre a fisiologia das emoções.

Mas primeiramente, para isso, precisamos aprender a respirar, pois nós não respiramos de maneira correta.

Nossa respiração é afobada, o que indica ao nosso corpo que estamos em perigo ou temos que estar em posição de ataque.

Em contrapartida, a respiração correta, ou seja, a respiração profunda, libera GABA, um neurotransmissor que auxilia a apaziguar a mente, por tratar-se de um calmante natural, que diminui a noradrenalina do cérebro e ativa o sistema de recompensa, gerando bem-estar.

Além disso, a respiração profunda e confortável diminui a noradrenalina no cérebro, tornando mais fácil apaziguar a mente.

Quando respiramos, nosso coração entra em coerência cardíaca: o coração tem neurônios ligados ao nosso cérebro emocional.

Ao vivenciarmos situações intensas, nosso coração bate descompassado, em estado de caos.

Assim, aprender a controlar os batimentos cardíacos por meio da respiração tranquila é uma das chaves para que possamos controlar o nosso cérebro emocional, já que eles estão ligados por uma via de mão dupla de neurônios – essa é uma chave para a educação emocional.

A respiração funciona como um freio para a fisiologia. Paramos e conseguimos entrar em coerência, nos acalmando.

Benefícios da respiração lenta e profunda

Um estudo publicado pelo American Journal of Cardiology constatou que simplesmente lembrar ou imaginar uma cena ou situação agradável é capaz de modificar positivamente os batimentos cardíacos, nos levando a um estado de coerência.

A intenção da respiração é preparar o terreno.

Quando sabemos respirar, sentimos os benefícios do controle, desse “freio fisiológico” das nossas respostas emocionais mais perturbadoras.

Vale ressaltar que não é apenas uma respiração que gera tudo isso; são necessárias algumas respirações.

Se você conseguir dedicar dez minutos diários a respirar profundamente, colocando toda a atenção na sua respiração, você estará transformando seu cérebro definitivamente.

Caso os pensamentos do dia a dia lhe vierem à mente, apenas deixe-os ir sem dar continuidade a eles.

Uma forma de controlar a respiração é pela meditação. Já falamos sobre isso aqui.

Um mantra que ensino é “aconteça o que acontecer, continue respirando.”

Exercícios para controlar a fisiologia das emoções

A respiração que eu mais gosto de trabalhar e ensinar é a respiração de quatro tempos.

Nessa respiração, você inspira durante quatro segundos, prende a respiração por mais quatro segundos e, por fim, expira em quatro segundos.

É possível ensinar a respiração de quatro tempos para as crianças através da respiração da sopa.

Faça o seu prato, colocando sua sopa favorita;

Sinta o cheiro da sopa e perceba que ela está quente;

Esfrie sua sopa soprando devagar.

Também gosto da respiração diafragmática, na qual visualizamos o abdômen expandido e esvaziando conforme inspiramos e expiramos.
Essa prática funciona melhor quando estamos deitados.

É possível trabalhá-la com as crianças – de forma lúdica, é claro.

Podemos dizer à criança que dentro dela há uma bexiga que se enche e esvazia de acordo com a respiração. O objetivo é não deixar a bexiga estourar.

Quem faz um poema abre uma janela.
Respira, tu que estás numa cela abafada,
esse ar que entra por ela.
Por isso é que os poemas têm ritmo
– para que possas profundamente respirar.
Quem faz um poema salva um afogado.

Mário Quintana

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.