Depressão no adolescente

Tempo de leitura: 4 minutos

Hoje, quero falar sobre um assunto muito sério: a doença onerosa da depressão.

Mais especificamente, sobre a depressão na adolescência.

Primeiramente, é necessária uma contextualização.

A adolescência

As pessoas tendem a pensar na adolescência como um período difícil, com variações do humor e crises emocionais.

Isso porque os adolescentes realmente se deparam com várias situações novas e pressões sociais quando se aproximam da idade adulta.

Dessa forma, para alguns, este período de transição é muito difícil.

Muitas pessoas consideram estas flutuações do humor e as mudanças no comportamento como uma fase normal da adolescência.

No entanto, há evidências de que estes problemas não fazem parte necessariamente, do processo normal de amadurecimento.

Na verdade, para muitos adolescentes, sintomas como descontentamento, confusão, solidão, incompreensão e atitudes de rebeldia podem indicar depressão.

Durante muitos anos acreditou-se que os adolescentes não eram afetados por esta doença, mas atualmente especialistas sabem que os adolescentes são tão suscetíveis à depressão quanto os adultos.

A depressão na adolescência

Em todas as faixas etárias, a depressão é um distúrbio que deve ser encarado seriamente.

Ela pode interferir de maneira significante na vida diária, nas relações sociais e no bem-estar geral.

Felizmente, a depressão no adolescente responde bem a vários programas de tratamento.

Pais, professores e outras pessoas estão se unindo para aprender a reconhecer a depressão e agir no momento em que a ajuda se faz necessária.

Se você suspeitar que um adolescente está sofrendo de depressão, saiba que poderá ajudá-lo.

No entanto, na maioria das vezes, os jovens não reconhecem que estão deprimidos.

Eles podem relutar em comunicar a outros, seus sentimentos de tristeza ou desesperança.

Para alguém que deseja ajudar, é preciso carinho e intuição, bem como saber escutar.

Procurando um tratamento

Uma pessoa que sofre de um transtorno depressivo raramente irá conseguir superar o problema espontaneamente.

Nesse contexto, quando usamos o termo “depressão”, estamos falando de uma doença com sintomas específicos de duração e gravidade significativas.

Assim, a depressão pode comprometer seriamente a capacidade de uma pessoa levar uma vida normal e, além disso, pode colocar em risco a vida dessa pessoa.

Entretanto, a depressão é uma doença comum enão há motivos para sentir-se envergonhado de procurar um tratamento, assim como fazemos com uma gripe.

Identificando a doença

Os sintomas de depressão em adolescentes são semelhantes aos sintomas dos adultos deprimidos, embora alguns ocorram com maior frequência em pessoas mais jovens.

Além disso, os sintomas de depressão podem estar escondidos por outras condições que aparentemente não têm relação com o estado depressivo.

Sintomas da depressão

Você conhece algum jovem que apresenta um ou mais sintomas abaixo?

• Falta de entusiasmo, energia ou motivação
• Afastamento ou isolamento de atividades sociais
• Confusão ou dificuldade em tomar decisões
• Baixo rendimento escolar
• Problemas alimentares ou insônia
• Baixa autoestima ou sensação de culpa
• Abuso de álcool e/ou drogas
• Ansiedade ou medos
• Perfeccionismo
• Inquietação ou irritabilidade

Estes são alguns dos “sintomas clássicos” de depressão; no entanto, a depressão na adolescência normalmente é ignorada.

Por exemplo, o uso de drogas e bebidas alcoólicas muitas vezes está associado a depressão em pessoas jovens e, frequentemente, contribui para agravar os sintomas depressivos.

Dessa forma, podem ocorrer também dificuldade de concentração, assim como inquietação e irritabilidade.

Por fim, ressalto que perante a suspeita de depressão, é importante o esclarecimento dos fatos e a procura por um profissional da saúde mental.

Referências

  • Kaplan & Sadock’s Pocket Handbook of Clinical Psychiatry. Sadock and Kaplan, eds. 2001. Editora Lippincott Williams & Wilkins.
  • Essential Psychopharmacology (Essential Psychopharmacology Series). Stephen M. Stahl et al. 2004. Cambridge University Press.
  • Ebmeier KP et al. Recent developments and current controversies in depression. Lancet. 14;367(9505):153-67. 2006.
  • Rupke SJ et al. Cognitive therapy for depression. Am Fam Physician. 1;73(1):83-6. 2006.
  • Brookman RR. Disorders of mood and anxiety in adolescents. Adolesc Med Clin. 17(1):79-95. 2006.
  • Lader M. Management of panic disorder. Expert Rev Neurother. 5(2):259-66. 2005.
  • Merlo LJ et al. Obsessive-compulsive disorder: tools for recognizing its many expressions.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.