Prevenção: ideação suicida

Tempo de leitura: 3 minutos

Hoje, trago mais uma postagem do setembro amarelo com o objetivo que você seja capaz de reconhecer a ideação suicida.

Primeiramente, é necessário entender que a ideação suicida é um grande fator de risco de suicídio.

Caracteriza-se por ideias e pensamentos sobre morrer, estar morto ou se suicidar e está altamente atrelada à desesperança.

De acordo com Weissman (1999), muitas pessoas já pensaram em suicídio ao longo da vida.

Entretanto, nem sempre os indivíduos que possuem ideação suicida tentam o suicídio.

Ainda assim, a ideação suicida está relacionada a um maior risco de suicídio e, portanto, quanto maior a frequência dos pensamentos sobre morrer, maior o risco.

Maneiras de ideação suicida

  1. Desejo de morrer
    • “Não vale a pena viver”
    • “Eu deveria morrer
  2. Representação suicida
    • “Eu me imagino morto”
  3. Ideação suicida sem planejamento da ação
    • “Vou me matar. Não sei como, mas vou me matar”
  4. Ideação suicida com planejamento inespecífico
    • “Vou me matar de qualquer jeito, com medicamentos ou me enforcando”
  5. Ideação suicida com planejamento
    • “Vou me enforcar amanhã enquanto minha esposa dorme”

Essa última maneira de ideação apresenta maior gravidade e exige maior atenção e cuidado.

Toda forma de ideação suicida deve ser sondada porque fornece uma grande oportunidade de prevenção em nível precoce.

Por isso, é necessário abordar a pessoa de forma responsável, atenciosa e acolhedora, pois ela pode ter muita dificuldade de falar a respeito.

Se o indivíduo sentir-se julgado ou pressionado, a ideação irá permanecer e ele não irá mais se abrir a respeito.

Tentativa de suicídio

Este é um comportamento autolesivo, planejado ou impulso, com desfecho não fatal, – o indivíduo tinha a intenção de tirar a própria vida, porém não conseguiu.

O evento causa um impacto social e psicológico para o indivíduo e aqueles que o cercam.

Nesse contexto, existem duas dimensões de comportamento na tentativa de suicídio:

Grau de letalidade

Esta é a que mais requer atenção ao indivíduo, pois ele demonstra um acentuado desejo de morrer. É um alto nível de perigo à vida.

Intenção de morrer e avaliação do grau de preparação

Relaciona-se com o desejo de morrer vs o desejo de viver e chances de descoberta da tentativa.

Tais dimensões devem ser verificadas, porque podem indicar maiores riscos de o indivíduo tentar novamente.

A repetição deve ser prevenida, porque o grau de letalidade da lesão vai aumentando.

Dessa forma, após a primeira tentativa já deve ser feita uma intervenção efetiva.

Suicídio

Enquanto isso, o suicídio é um ato autoinflingido com o objetivo de tirar a própria vida.

Através do suicídio, o indivíduo vê a única chance de reduzir o sofrimento de crises, situações insuportáveis, problemas e dificuldades.

Assim, é a última fuga – uma forma de acabar com um problema que gera intenso sofrimento.

Comportamento suicida continuum

Aqui, ocorre um círculo vicioso.

Há a ideação suicida, que promove ideias vagas sobre morrer.

Depois, essas ideias dão origem às ameaças e, após a ameaça, o indivíduo elabora o plano de suicídio.

Por fim, ocorre o ato suicida, que pode ser fatal ou não.

Esse tipo de comportamento pode virar um padrão na vida da pessoa e fazer com que ela seja mais vulnerável à ideação e ao suicídio em si.

Dessa forma, reforço a importância de trabalharmos com prevenção desde cedo para que o indivíduo seja capaz de resolver problemas e lidar com suas emoções.

Escute. Acolha. Encaminhe a um profissional.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.