Ludoterapia, parte I

Tempo de leitura: 4 minutos

Vamos falar um pouco sobre a ludoterapia?

A ludoterapia é uma aliança que surge entre a terapia e a arte de brincar que pode e deve ser utilizada com crianças e até mesmo adultos.

A ludicidade é uma característica humana universal que traz alegria e satisfação.

Assim, pessoas de todas as idades e culturas se engajam em atividades que envolvam a brincadeira e as estimulem cognitivamente, emocionalmente e socialmente.

Dessa forma, a brincadeira cultiva o aprendizado e nos auxilia a explorar o mundo de uma maneira divertida.

Mas você sabia que a brincadeira pode ser uma atividade terapêutica?

A quem se aplica a ludoterapia

Especialistas em desenvolvimento infantil utilizam ludoterapia para ter insights sobre o comportamento das crianças.

Inclusive utilizam a técnica com adultos e adolescentes.

No entanto, a técnica é mais utilizada com a criança porque ela fica livre para deixar a criatividade fluir.

Os adultos podem aprender muito sobre si mesmos quando são encorajados a deixarem de lado sua versão madura e abraçarem sua criança interior.

A ludoterapia é maneira para abordarmos a saúde mental com base em atividades que levam à descobertas positivas sobre nós mesmos.

Com a ajuda dessa terapia, os participantes conseguem:

  • aprender a lidar com emoções intensas;
  • adquirir habilidades para a vida;
  • cultivar relações interpessoais saudáveis.

Pense comigo: para uma criança de 10 anos que passou por um evento traumático, utilizar palavras pode ser muito doloroso ou difícil, até porque nem sempre as crianças compreendem o que sentem.

É aqui que a ludoterapia se prova extremamente útil, já que permite que o profissional tenha mais ciência do que a criança está passando ou sentindo.

O propósito da prática é auxiliar crianças a superarem dificuldades comportamentais e emocionais que interferem em suas vidas.

Terapeutas que utilizam da prática afirmam que ela também melhora a comunicação e o entendimento entre os pais e as crianças.

Outros objetivos são: manejo de ansiedade e frustração, cultivo de habilidades sociais e melhoria da educação emocional.

Como aplicar?

Existem duas maneiras de aplicar a prática: de forma indireta e direta.

A forma indireta consiste em criar um ambiente para que a criança se expresse livremente.

Nesse ambiente, o terapeuta se envolve pouco e a criança busca resolver seus problemas sozinha.

A maneira direta inclui o envolvimento do terapeuta, que coordena o processo.

Dessa forma, a criança alcança a felicidade e o bem-estar de forma mais rápida.

A ludoterapia funciona?

Agora, quero falar das evidências nas quais a prática é baseada.

Apesar de muitas das teorias originais da prática serem antigas, suas evidências empíricas são recentes.

Para compreender por que a prática funciona, precisamos compreender a biologia básica do cérebro das crianças.

O sistema nervoso das crianças não tem a rede neural complexa que adolescentes e adultos têm.

É por isso que elas precisam de tantas atividades divertidas: para que as neuroconexões sejam estimuladas de forma a desenvolver as habilidades para a vida.

Resumindo: a brincadeira motiva a criança a se engajar em atividades produtivas que promovem habilidades motoras, cognitivas, emocionais e sociais.

Com essas habilidades, elas são capazes de interagir com o mundo de forma saudável e construtiva.

Falando de bem-estar, um estudo revelou que a ludoterapia é um tratamento viável para crianças que têm problemas comportamentais e emocionais.

Ainda, especialistas acreditam que a brincadeira terapêutica é uma poderosa ferramenta para auxiliar crianças a lidarem com situações traumáticas.

Por fim, você consegue perceber que há muita evidência que nos sugere que a prática realmente funciona e vale a pena ser promovida.

O processo deve passar a sensação de uma interação divertida entre o terapeuta e a criança.

As crianças são encorajadas a brincar no ambiente seguro e estruturado que o terapeuta propõe, com brinquedos e jogos que ele achar mais adequado.

O propósito dessa prática é o terapeuta observar:

  • o comportamento;
  • a linguagem;
  • os sentimentos da criança.

Assim, é possível compreender seus pensamentos, suas emoções e dificuldades que podem se apresentar no dia a dia.

Diante da aparição de problemas, a ludoterapia permite que o psicoterapeuta ajude a criança a compreender e superar obstáculos.

Além disso, auxilia a criança a sobrepor bloqueios que estejam a impedindo de aproveitar uma infância feliz e saudável.


Quer saber mais?

Na próxima postagem, falaremos um pouco mais sobre a ludoterapia.

Não perca!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.