Ludoterapia, parte II

Tempo de leitura: 4 minutos

Hoje, continuo a publicação do dia 15 – vamos falar mais sobre a ludoterapia.

Vamos falar sobre os problemas que podem ser tratados com esse tipo de psicoterapia.

O que a ludoterapia ajuda a tratar?

Primeiramente, ressalto que especialistas acreditam que a ludoterapia é a abordagem ideal para uma grande parte dos problemas das crianças.

1. Ansiedade

Esse é um dos problemas mais comuns encontrados em crianças

Além disso, de acordo com a Associação de Depressão da América, 25% de jovens entre 13 e 18 anos são diagnosticados com algum tipo de ansiedade.

2. Depressão

Nos Estados Unidos da América, apenas 40% das crianças e adolescentes que sofrem de depressão recebem tratamento adequado.

3. Transtorno do Déficit de Atenção com Hiperatividade

4. Transtorno do Espectro Autista

5. Estresse pós-traumático

Crianças não possuem a capacidade de superar um trauma sozinhas.

Assim, é necessário um acompanhamento psicológico para casos de trauma.

6. Problemas de raiva

A técnica desvenda a origem da raiva e auxilia a curar as feridas emocionais.

A aplicação

Crianças e adolescentes estão entre o grupo de vulnerabilidade em termos de saúde mental.

Portanto, é papel do profissional da saúde e educação encontrar uma maneira criativa para construir habilidades para a vida, além de cultivar a felicidade e o bem-estar através de atividades divertidas.

Nesse contexto, a ludoterapia é um tratamento viável para diversos problemas emocionais e comportamentais que os jovens possuem.

Será que existe uma ligação entre a brincadeira e a felicidade?

Pense comigo em todas as emoções que sentimos quando nos soltamos, brincamos e nos engajamos em atividades divertidas.

Pense nos momentos em que colocamos nossas responsabilidades da vida adulta de lado e abraçamos a nossa criança interior.

As emoções positivas que vivenciamos são muitas e são fortes, não é?

Para as crianças, a relação entre a brincadeira e a felicidade é gigantesca, já que a brincadeira é uma ocupação fundamental.

Assim, a brincadeira vai além de ser uma ferramenta que nos proporciona emoções positivas, porque facilita o autodescobrimento e a expressão de nós mesmos.

Você pode descobrir mais sobre uma pessoa brincando com ela por uma hora do que durante um ano de conversa.

Platão

Já que o ato de brincar pode ser individual ou em grupo, é importante compartilhar essa experiência positiva com amigos, familiares ou pessoas que a criança ama e que a amam.

Como funcionam as sessões de ludoterapia?

Os adultos também podem participar!

Ao chegar na vida adulta, muitos de nós perdem a noção das coisas que nos faziam felizes quando éramos crianças.

Deixamos de lado as brincadeiras para dar lugar às responsabilidades, o que tem um impacto negativo no nosso bem-estar.

Dessa forma, enquanto estamos presos no trabalho, pagando contas e cuidando de nossas casas, nossa criança interior pede desesperadamente por um momento de liberdade e diversão.

É nestes momentos que problemas como estresse, síndrome de burnout, depressão e ansiedade começam a afetar a nossa qualidade de vida.

De modo a cultivar emoções positivas e prevenir problemas emocionais, precisamos nos dar a chance de agir como crianças de vez em quando, ainda que sejamos adultos responsáveis.

A ludoterapia pode ser essa oportunidade; um momento de calma e de liberar o estresse.

A ludoterapia para adultos

Essa psicoterapia faz com que os adultos “se abram” e se engajem em atividades designadas para promover um maior conhecimento interior, além de promover habilidades para lidar com problemas futuros.

No entanto, não é necessário que você visite um terapeuta para deixar sua criança interior solta: existem muitas atividades que podem ter um efeito terapêutico.

Dessa forma, você pode praticar essas atividades sozinho ou em grupo, de forma a promover as emoções positivas que só a brincadeira proporciona e que tanto necessitamos em nossas vidas.

Mas lembre-se que se você quiser cultivar a felicidade, precisa abraçar a brincadeira e se permitir ser criança.

Só porque somos adultos isso não significa que nossas vidas devem ser focadas somente em nossas tarefas e responsabilidades.

A criança que temos dentro de nós sabe exatamente o que precisamos, e sabe também quais são as nossas paixões e nossos desejos.

Assim, não esqueça de escutá-la de vez em quando.

Abaixo, listo algumas atividades que podem ser realizadas:

  • Desenhar;
  • Pintar;
  • Dançar;
  • Jogar bola;
  • Jogar jogos de tabuleiro;
  • Fantasiar-se;
  • Brincar com fantoches;
  • Praticar artesanato;
  • Jogar jogos de comunicação;
  • Contar piadas;
  • Brincar de pique-esconde;
  • Brincar de truques de mágica;
  • Brincar com massa de modelar;
  • Fazer guerra de bexiguinhas.

Por fim, qualquer atividade que envolva diversão e não precise ser sustentada por esforço cognitivo pode trazer à tona o nosso lado brincalhão.

É assim que podemos cultivar a felicidade e iluminarmos nossas vidas através da ludoterapia.


Fonte: Happier Human.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.