O lado positivo da crise

Tempo de leitura: 3 minutos

Sim, ainda devemos buscar o lado positivo da crise do COVID-19.

Devemos buscar essa positividade justamente porque o que mais precisamos no momento é de um amortecedor, e emoções positivas funcionam assim.

O COVID domina as manchetes e o assunto está em todos os lugares, tomando conta das nossas vidas.

No entanto, as notícias não costumam ser positivas.

Um lado positivo dessa crise foi a respeito das relações interpessoais.

Isso foi descoberto numa pesquisa recente feita com 2 mil pessoas do Reino Unido pelo OnePoll.

Pense comigo: é muito comum que vizinhos e membros da mesma comunidade quase nunca se falem ou se ignorem completamente, não é?

Nessa pesquisa, no entanto, 25% dos entrevistados respondeu que a crise do COVID levou a uma interação maior com os vizinhos.

Ainda, 64% acrescentou que o COVID aproximou suas comunidades nas mais variadas formas.

Se você me acompanha, sabe o quanto eu friso que as relações interpessoais são fundamentais para a construção da nossa vida feliz.

Nosso cérebro é um órgão extremamente social que não sobrevive sem interações. Mesmo em uma crise, não poderia ser diferente.

Apoio social

Apoio é essencial para todos nós agora, e aqui entra a questão do apoio social.

O apoio social promove resiliência e redução da vulnerabilidade para agravos de saúde, além de ser um fator de proteção.

Nesse sentido, veja se os dados colhidos abaixo não são lindos!

Como já sabemos, idosos e pessoas imunocomprometidas fazem parte do grupo de risco, pois são mais vulneráveis ao vírus.

Nesse contexto, 30% dos entrevistados afirma ter começado a verificar parentes mais velhos, enquanto 23% afirma fazer o mesmo com os vizinhos.

Um terço dos participantes também informou ter começado a ir ao mercado para vizinhos e familiares mais vulneráveis.

Por outro lado, outras pessoas entrevistadas doaram para um banco de alimentos (13%), voluntariaram-se para caridade (10%) ou optaram por comprar de negócios menores em vez de empresas grandes (28%).

Mais de 40% das comunidades ou vizinhanças dos entrevistados criou um grupo para auxiliar pessoas em necessidade no local.

A crise do COVID-19 pode estar causando estresse e medo, mas ao mesmo tempo é algo que criou uma onda de generosidade através do país. As pessoas estão colocando política e outras divisões para trás para focar em ajudar umas às outras e a revitalizar suas comunidades. Ficando um ao lado do outro, sobreviveremos às semanas e meses de incerteza com um pouco mais de facilidade.

Siobhan Freegard, ChannelMum.com, a empresa que patrocinou essa pesquisa.

O lado positivo para os casais

Outro lado positivo é que a crise também levou famílias e casais a se verem muito mais.

Ao mesmo tempo em que há chance das brigas acontecerem, 49% dos entrevistados acredita que o isolamento social vai aproximá-los de seus parceiros.

No geral, dois terços das pessoas afirmou estar vendo mais seu parceiro por conta das medidas de segurança do COVID.

Antes disso acontecer, 57% dos entrevistados informou não ter tempo livre para seu parceiro. Agora, 74% encontra-se na expectativa para passar mais tempo com as pessoas queridas.

Além do mais, quase 70% das pessoas acredita que daqui nove meses a casa contará com um integrante a mais graças ao tempo que os casais estão passando juntos.

Por fim, 40% acredita que estar “preso” em casa será, à longo prazo, benéfico para seu relacionamento.

E não é porque não podemos sair para um jantar ou para ir ao cinema que casais não podem ter uma noite divertida.

A metade dos entrevistados afirmou estar tendo “encontros” em casa.

Se você quiser algumas ideias, as respostas mais obtidas foram:

  • assistir um filme;
  • cozinhar o jantar;
  • beber alguns drinks;
  • conversar;
  • ficar abraçados no sofá;
  • fazer sexo;
  • ouvir música;
  • jogar;
  • tentar passar a noite sem dispositivos móveis.

Você enxerga o lado positivo do COVID na sua vida?

Fonte: https://www.studyfinds.org/the-bright-side-coronavirus-is-bringing-communities-couples-closer-together/

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.