Prevenção ao suicídio

Tempo de leitura: 2 minutos

Setembro iniciou, e com ele começam as campanhas de conscientização e prevenção do suicídio.

Precisamos falar sobre isso.

Durante todo o mês, estarei compartilhando conteúdos a respeito do tema.

Conto com o seu apoio para atingirmos um grande número de pessoas.

O tema suicídio é relativamente novo porque, no passado, não era abordado.

Cada vez mais nossa sociedade se abre para a temática, e cito duas razões que promovem essa abertura:

  • Pessoas procurando ajuda profissional e estudantes cometendo automutilação ou suicídio;
  • Várias categorias profissionais entrando em contato com o comportamento suicida.

Mas além da conscientização, é muito importante darmos um passo além.

Precisamos saber o que fazer, pois se não tivermos esse conhecimento, deixamos de enxergar e detectar os casos de risco.

Conforme a OMS, a cada ano mais de 800 mil pessoas cometem suicídio, sendo uma morte a cada 40 segundos.

E para cada suicídio, existem diversas tentativas realizadas.

O suicídio é um problema de saúde pública que afeta comunidades, cidades e países, sendo a segunda maior causa de morte entre jovens de 15 a 29 anos.

O suicídio é um fenômeno complexo – uma única causa ou estressor não é suficiente para explicar o comportamento suicida.

Atualmente é reconhecida a multicausalidade de fatores: o papel de fatores biológicos, psicológicos, sociais, ambientais e culturais.

Entretanto, considera‐se que uma parcela de mortes por suicídio possa ser evitada por meio da utilização correta de estratégias de prevenção, que envolvem a colaboração de diferentes setores da sociedade.

É necessário que haja um esforço integrado, pois nenhuma abordagem realizada sozinha terá o impacto esperado.

Edwin Shneidman, considerado como o pai da suicidologia – que é o estudo do comportamento suicida ‐ diz que nosso objetivo constante é a prevenção, mas que antes deve vir o entendimento sobre o tema.

Portanto, para que consigamos prevenir, é necessário compreender bem todos os aspectos desse complexo tema.

Estatísticas sobre suicídio

Dados levantados por Clark e Fawcett mostram que aproximadamente 50% a 60% das pessoas que se suicidam nunca se consultaram com um profissional de saúde mental, e 80% foram a um médico no mês anterior ao suicídio.

Além disso, dois terços dos que cometeram o ato comunicaram a parentes e amigos próximos sua intenção na semana anterior.

Esses dados evidenciam a importância de serem pensadas ações de
prevenção do suicídio e de que tais ações sejam realizadas por outros profissionais, não apenas os da área da Saúde Mental.

Continuaremos falando sobre isso durante o mês de setembro.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.