Trabalhando com arte-educação

Tempo de leitura: 8 minutos

Hoje, quero te contar sobre o motivo de arte-educação ser um dos pilares do meu Programa Educação Emocional Positiva.

A resposta é simples: porque a arte traz ludicidade para o aprendizado e o prazer.

Através da arte, a pessoa tem a capacidade de expressar em níveis mais profundos emoções e esquemas mentais.

Além disso, a pessoa aprende, por meio da arte, o que ela precisa aprender para a vida.

E por fim, a arte é uma excelente estratégica para ampliar a consciência, promover emoções positivas e lidar com angústia.

Vantagens de utilizar a arte-educação

A arte-educação é uma excelente forma de estruturar a aula, possibilitando falar em um nível mais profundo, despertar potencialidades e quebrar esquemas mentais negativos.

Ela permite a tomada de consciência dos pensamentos automáticos e esquemas mentais disfuncionais, além de propiciar o aprendizado do que a criança necessita saber para a vida.

Ainda, a diversidade de materiais expressivos propicia a capacidade de simbolizar, que, por sua vez, gera a função organizadora.

A linguagem da arte permite expressar o “indizível”, comunica conflitos, aumenta a concentração e a sensibilização e desenvolve as funções sensoriais e habilidades mentais.

Além disso, ela ativa a função vitalizadora, promove a auto expressão, ajuda no relaxamento, descarrega tensões e, por consequência, diminui a ansiedade.

Por meio da expressão do estilo pessoal, favorece o desenvolvimento da individualidade, reduz a insegurança, melhora o relacionamento do grupo e a autoestima.

Por fim, desenvolve a imaginação e a criatividade, estimula a capacidade de produção/produtividade e melhora a consciência corporal.

Recursos e materiais para trabalhar com arte-educação

A seguir, quero apresentar alguns materiais e recursos que podemos utilizar para trabalhar com a arte-educação.

Cada material e recurso em particular tem propriedades que mobilizam emoções e sentimentos de maneiras diversificadas.

A seguir, vamos conhecer alguns. 

Desenho 

O desenho explora a atenção, a concentração e o contato com a realidade interna e externa.

A coordenação fina é bastante trabalhada e o controle é essencial, não só o motor, mas também – e principalmente – o intelectual.

Os principais tipos de desenhos são:

  1. Desenho de cópia: enfoca a realidade exterior, obrigando a pessoa a perceber e reproduzir a realidade tal como ela é. É indicado para pessoas dispersas, sonhadoras, confusas e adolescentes.
  2. Desenho livre: o indivíduo entra em contato com a realidade interior, deixando fluir esquemas mentais. Esse tipo de desenho favorece a projeção. Por mais simples que o desenho seja, a criança coloca ali o que está se passando em seu mundo interior. É a maneira que ela encontra para comunicar seus conflitos. 
  3. Desenho dirigido: o indivíduo entra em contato com sua realidade interior, mobilizando emoções bloqueadas, conflitos. Caso você peça para desenhar uma casa, por exemplo, a criança buscará seus referenciais internos para compor o desenho.
  4. Desenho monocromático: enfoca emoções superficiais. É indicado para pessoas muito intensas, como forma de amenizar sua intensidade no sentir. 
  5. Desenho colorido: focaliza emoções profundas. É indicado para pessoas superficiais, que necessitam entrar em contato com suas emoções.

É de suma importância o significado que o próprio indivíduo dá ao seu desenho.

Pintura

A pintura é um excelente recurso para fazer fluir as emoções e os sentimentos.

A tinta auxilia na estruturação do mundo interno.

Vejamos, a seguir, as características de alguns tipos de tinta no que se refere às emoções: 

  1. Guache: exige maior controle de movimentos, libera emoções e incentiva a imaginação.
  2. Aquarela: mobiliza ainda mais o lado afetivo. É indicada para pessoas muito racionais, controladoras e com dificuldade afetiva. É contraindicada para deprimidos. 
  3. Tinta para tecido: enfoca limites, responsabilidade, a atenção está direcionada também para não sujar a roupa, pois a mancha feita com esta tinta não sai. 

Modelagem 

A modelagem atua no sentimento e na cognição.

Ela proporciona a possibilidade de criar, tridimensionalmente, o que acontece no mundo interno. 

Além disso, tem ação calmante, revigorante, amplia a consciência e oferece a oportunidade de fácil reparação do erro, ou seja, de consertar o que seja necessário.

Alguns dos principais materiais utilizados na modelagem são: 

  1. Argila: é o material mais calmante, diminui a tensão, alivia o estresse. Sem dúvida, é o melhor recurso para trabalhar com indivíduos que apresentam o comportamento de agressão. 
  2. Massa caseira: é indicada principalmente para as crianças menores, porque não tem problema que vá à boca e auxilia a maturação das mãozinhas. 
  3. Papel machê: não tem o efeito calmante da argila. Possibilita a criação e o planejamento. É excelente para as crianças mais velhas. 

Sucata

A sucata estimula a reconstrução, a criatividade, o planejamento, a atenção. Trabalha concretamente a transformação. 

É importante ter atenção ao oferecer este recurso às crianças carentes, pois está muito próximo ao material de trabalho de seus pais. 

Colagem 

A colagem é uma atividade estruturante que incentiva a criatividade.

Com ela, o indivíduo busca ideias no materiais que possam expressar e comunicar seus sentimentos, emoções e pensamentos em relação ao tema. 

Além disso, a colagem ajuda na estruturação e na organização das ideias e da vida.

Trata-se de um recurso muito rico, pois, além de trabalhar a paciência, estimula o planejamento, a análise, a concentração e a reavaliação do produto final. 

Bordado e tecelagem 

O bordado e a tecelagem ampliam as percepções de mundo e estimulam o raciocínio, por meio da contagem dos pontos, e a revitalização.

São atividades energizantes e organizadoras, indicadas para aqueles que necessitam de uma rotina, um limite.

Teatro e dramatização

O teatro e a dramatização possibilitam treinamentos, alternativas de posturas e soluções para situações conflituosas. 

Além disso, favorecem a criação de repertórios por meio da utilização de histórias infantis, mitos, metáforas, poesias treinando as posturas necessárias para a sedimentação de habilidades sociais.

Para o nosso cérebro, não há diferença entre o que você imagina e o que acontece na realidade, p1or isso, a dramatização é uma excelente ferramenta e funciona como uma forma de ensaio, tão necessário para a vida real.

Materiais brilhantes

Aqui, estão incluídos o glitter, a cola glitter, a lantejoula, os papéis laminados.

Esses materiais mobilizam a parte “bonita” que o sujeito tem dentro de si, levam-no a entrar em contato com sua luminosidade e aumentam sua autoestima. 

Música

A música não encontra barreiras conscientes, acessa diretamente nosso cérebro emocional.

Trabalhar em sala de aula com as interpretações de letras, saber o que o artista quis dizer, é uma forma de nomear emoções que muitos jovens e crianças têm dificuldades para reconhecer.

Em grupos de crianças, costumo pedir a elas que comentem músicas infantis. 

Trabalhando com arte-educação com determinadas crianças e grupos 

A seguir, vou passar algumas dicas sobre como trabalhar com arte com crianças retraídas, inseguras e com grupos.

Crianças que se retraem

Muitos adultos gostam dessas crianças por serem quietas e acabam reforçando esse comportamento.

A criança é poderosa em se retrair.

É importante respeitar o tempo dela, mas devemos evitar o reforço dessa atitude. 

Essas crianças ouvem bem e respondem bem às técnicas expressivas, como a pintura.

Além disso, gostam e prestam muita atenção quando explicamos os sentimentos.

Elas vão falando aos poucos e têm forte comunicação visual. 

Crianças que têm insegurança

Essas crianças costumam grudar-se às pessoas. Recomendo priorizar atividades em que elas possam ter senso de si e de identidade, a fim de que elas possam se reconhecer.

Um exemplo é utilizar um desenho do corpo.

Em um papel grande, faça o contorno do corpo da criança e peça que ela o preencha com colagens e/ou com desenhos que representem seus gostos, suas habilidades, suas forças pessoais. 

Sempre elogie o procedimento, pontuando a capacidade que ela teve de executar sozinha uma determinada tarefa.

Grupos

Grupos são ótimos para a prática de habilidades sociais.

As crianças se ajudam mutuamente, aprendem umas com as outras.

Além disso, quando pontuamos algo pra uma criança, as outras também prestam atenção e internalizam a pontuação.

Fique atento para que todas possam se manifestar, para não pular ninguém. Valorize as colocações das crianças. 

As oportunidades de trabalhar as emoções com recursos da arte-educação são muito úteis porque oferecem algo a mais, diferente do que as crianças estão tendo em seu mundo real.

É por isso que a Educação Emocional Positiva dentro de sala de aula é tão importante. 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.