Transtorno de ansiedade generalizada

Tempo de leitura: 3 minutos

O transtorno de ansiedade generalizada é um transtorno crônico de ansiedade no qual preocupação e ansiedade excessivas estão presentes na maioria dos dias e em diversos eventos ou atividades, considerando-se os últimos seis meses.

Estão associadas a pelo menos três dos seguintes sintomas:

  • inquietação ou sensação de estar com os nervos à flor da pele;
  • fadiga ou cansaço excessivo;
  • dificuldade em se concentrar ou sensações de “branco” na mente;
  • irritabilidade;
  • tensão muscular;
  • alterações do sono.

O foco do tratamento é a preocupação (expectativa apreensiva), a ansiedade excessiva, além de questões interpessoais/afetivas relacionadas ao transtorno.

Indivíduos com TAG são especialistas em descobrir possíveis problemas, mas possuem dificuldade de gerar soluções eficazes ou respostas de enfrentamento.

Para lidar com os problemas reais, é importante aprender a técnica de resolução de problemas.

Já publiquei aqui um passo a passo para a resolução de problemas. Confira clicando neste link.

Sentir ansiedade é ruim?

A ansiedade é intrínseca à condição humana e até certo ponto pode ser considerada saudável.

Assim como qualquer outro sentimento, faz parte do repertório de reações dos seres humanos por meio de um processo evolutivo, de natureza adaptativa.

O problema não está em se sentir ansioso.

O problema é quando há dificuldade de reconhecer a ansiedade, aceitá-la, tirar proveito dela quando possível e, também, continuar a funcionar apesar dela.

Por exemplo, sentir ansiedade quando a data de uma importante prova se aproxima pode ajudar o indivíduo a se organizar e estudar para o exame.

Assim como se tornar ansioso por estar sozinho numa rua deserta durante a madrugada pode fazê-lo ficar mais atento e andar mais rápido.

A ansiedade começa a se tornar disfuncional quando o indivíduo passa a subestimar a sua capacidade de enfrentamento e segurança.

Assim, ele supervaloriza a probabilidade e gravidade da possível ameaça ocorrer, levando-o, frequentemente, à evitação de certas situações.

Como os pensamentos influenciam na TAG?

A forma de pensar afeta o modo ou a maneira como o paciente se sente.

A experiência intensa da ansiedade faz com que o indivíduo não reconheça que os pensamentos ajudam a manter emoções.

Todavia, é importante entendermos que nossos pensamentos têm uma função mediadora entre uma situação e nossos sentimentos.

Os indivíduos geralmente supõem que são as situações, e não as suas interpretações, que geram ansiedade.

Um pensamento relacionado à ameaça ou algum tipo de dano gera reações emocionais, fisiológicas e comportamentais de ansiedade.

Como diminuir a ansiedade?

Experimentar a tática do mindfulness (que significa manter a atenção no momento presente, sem qualquer tipo de julgamento) pode ajudar a aprender a estar totalmente presente no presente.

Auxilia na redução da ansiedade pois o foco da atenção passa a ser aquilo que está sendo realizado agora, e não a preocupação e a ameaça orientada para o futuro.

Mindfulness tem origem em práticas orientais de meditação e é descrita como uma forma de manter a atenção no presente, sem qualquer tipo de julgamento, com o intuito de aumentar a consciência nas próprias experiências.

Para começar a praticar mindfulness, esteja consciente do que você está fazendo no momento presente e, toda vez que seus pensamentos se desconectarem, retorne ao seu foco sem julgamentos ou críticas.

Fonte

Psicoeducação em Terapia Cognitivo-Comportamental. Organizado por Marcele Regine de Carvalho, Lucia Emmanoel Novaes Malagris e Bernard P. Rangé. Disponível para aquisição aqui.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.